Empresa de Consultoria

Parceria para BPO:

uma ideia que dá certo

Confira o conteúdo completo:

Insights e publicações

Parceria para BPO: uma ideia que dá certo

Apesar de entenderem como importante, muitas organizações não têm condições de manter profissionais especializados em determinados processos de negócio, seja por não conseguirem arcar com os custos associados a esses profissionais, seja porque a demanda do processo não comporta ocupação plena deste recurso. Assim, muitas destas organizações deixam de executar processos relevantes, ou os executam de forma ineficiente.

Mas e se estas organizações tivessem a oportunidade de executar eficientemente esses processos sem precisar dedicar recursos próprios, isto é, por meio de parceria? Nos últimos anos temos vivenciado em alguns clientes esse modelo, proporcionando-lhes benefícios que antes não obtinham.

Sem possibilidade de ter um profissional para dar continuidade ao monitoramento, análise e revisão da estratégia, ou mesmo gestão e controle dos projetos ou portfólio de projetos, algumas organizações têm terceirizado para a consultoria esses processos. Isso não quer dizer terceirizar a decisão sobre a estratégia ou sobre os projetos, mas sim a gestão desses processos.

E como isso funciona? Imagine que sua organização desenhou a estratégia, criou seu mapa estratégico com indicadores e metas ou definiu seus OKRs, montou seus programas e projetos, e já esta pronta para a começar o monitoramento e a execução. Nesse momento, ela se depara com um problema. Quem será responsável por motivar a organização e as pessoas para que essa estratégia não fique apenas no papel? Quem será o “batedor do bumbo”? E muitas vezes, ela não tem essa resposta. Muitas vezes a organização não tem os recursos com as competências necessárias para isso.

O que fazer? Deixar que o bom senso das pessoas as guie para decidir entre a execução da rotina e a execução da estratégia? Reforçar comunicação para que elas executem a estratégia? Criar ritos de gestão? Tudo isso é importante para que a execução aconteça, mas é suficiente? Se não tiver alguém que “puxe” as pessoas para a execução, a estratégia sairá do papel? Muitas vezes percebemos que não. Quando isso acontece, ouvimos frases como “a planilha aceita tudo”, “os slides aceitam tudo”, “a rotina estoura hoje, a estratégia só daqui uns anos. Então executarei a rotina e quando der (se der), executarei a estratégia”, e assim por diante.

Mas o mundo mudou. A estratégia não estoura mais só daqui uns anos. Na verdade, a empresa “estoura” muito antes disso se a estratégia não for executada. Ou seja, se a execução da estratégia não for prioritária, não for estimulada a acontecer, a continuidade da organização tem seu risco aumentado.

E não apenas a execução. Também o acompanhamento do ambiente externo e interno, com a identificação de mudanças de cenário é fundamental, pois assim, a organização pode rapidamente entender essas mudanças, analisar os impactos no seu negócio, e alterar a estratégia desenhada (replanejar) de forma que a aderência entra a estratégia e o cenário continue forte.

Nesse contexto, poder contar com uma equipe especializada no setor, em planejamento, em execução é fundamental. Mas aí voltamos ao problema inicial. Como fazer isso se a organização não tem recursos financeiros disponíveis, ou não há demanda para ocupar um especialista 100% do seu tempo? A parceria para implantação é uma ótima solução, pois a organização pode contar com as competências demandadas que precisa (seja para planejamento, monitoramento, execução, ou até mesmo ajudar nas preparações e analises para as reuniões de tomada de decisão), de forma otimizada, e com garantia que terá sempre o recurso disponível, com metodologias, e conceitos sempre atualizados e testados, pois uma mesma aplicação, uma mesma ferramenta já foi utilizada em diferentes organizações, com diferentes contextos, incorporando uma série de lições aprendidas.

A 3GEN tem implantado este modelo em organizações de diferentes setores, como saúde e educação, ajudando em todo o ciclo de gestão da estratégia, desde a formulação, até a execução e monitoramento contínuo da estratégia, garantindo atualizações conforme as incertezas vão ganhando forma e as mudanças de contextos vão surgindo, tornando a organização cada vez mais ágil para gerir sua estratégia. Afinal, como afirma o consultor e autor Ram Charam, “a diferença entre uma empresa e sua concorrente é, cada vez mais, a habilidade de executar.”

 

Por: Luiz Sedrani