Empresa de Consultoria

Como devo agir ao conduzir um estudo de viabilidade econômico-financeira

tendo dados pouco confiáveis?

Insights e publicações

Conduzindo estudo de viabilidade econômico-financeira com dados pouco confiáveis

Imagine que você é um (a) gerente respeitado (a) e, por isso, uma grande tarefa lhe é conferida: realizar uma modelagem financeira para analisar a viabilidade de uma nova iniciativa.

O primeiro passo será buscar os dados de input ao modelo, como os investimentos, padrões de receita, custos e despesas. Logo de início poderá perceber que tais dados apresentam fragilidades quanto a consistência. O preço de venda do produto não se mostra muito confiável, os padrões de custos e despesas, muito menos. Isso geralmente se gera pela falta de softwares de gestão apurados e pela falta de alimentação dos mesmos na frequência e intensidade desejadas.

Você então pode pensar: E agora? Como o meu estudo de viabilidade vai revelar bons indicadores financeiros?

A resposta mais indicada atualmente é que se use o Método de Monte Carlo (MMC), uma metodologia estatística que se baseia em uma grande quantidade de amostragens aleatórias para se chegar em resultados próximos de resultados reais. Ela permite que você faça testes com variáveis em um número suficientemente grande de vezes para ter com mais precisão a chance de algum resultado acontecer.

Talvez você não saiba exatamente o custo unitário, mas tenha conhecimento de que ele pode variar entre valores mínimos e máximos muito claros. Isso pode se repetir com as demais variáveis que alimentam a análise.

A essência do MMC consiste em projetar de maneira aleatória (geralmente 10 mil vezes) a fórmula que gera os indicadores financeiros. Para cada item da fórmula, são delimitadas as bandas mínimas e máximas (lembrando que caso um item seja plenamente conhecido, este poderá ter valor fixo).

O que o modelo entrega é uma visão sobre as variações mínimas e máximas dentro de um intervalo de confiança, ou seja, o Valor Presente Líquido poderá variar entre R$ 2,3 a R$ 3,1 milhões em 10 anos e a Taxa Interna de Retorno poderá variar entre 12% a 16%, com 90% de confiança, e isso se replica para os demais indicadores.

Além dessa visão, é possível calcular a probabilidade dos indicadores financeiros estarem em determinadas faixas, o que ajuda a analisar e delimitar o risco corrido.

Estudar a viabilidade financeira é elementar no mundo dos negócios! 

Ficou interessado sobre o assunto? Confira nosso post das 3 coisas que você precisa saber sobre viabilidade de projetos.

 Designed by Blossomstar / Freepik
  • Alex Lugli

    Graduado em Propaganda e Marketing pela Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação com especialização em Administração Estratégica pela Fundação Instituto de Administração – USP. Possui experiência em planejamento estratégico, finanças corporativas, marketing e inteligência competitiva. Desde 2008 passou por grandes multinacionais e a partir de 2015 atua como consultor em projetos de modelagem de negócios, planejamento estratégico analítico e análises de viabilidade econômico-financeira de projetos em organizações privadas.